Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2016

do inevitável,

Imagem
crescer é saber (e aprender a) deixar ir



"olhei pro amanhã e não gostei do que vi sonhos são como deuses quando não se acredita neles  deixam de existir"


gavião

tal como lenda
lento se desfaz
disfarça
em outro tempo
em outros tantos
espelho
tal qual todos
todos eles
sempre o tempo
de si para si,
nunca para o outro
um dia a chama 
apaga
desapega
hoje uma luz a menos
ameno
por menos
bem menos
já não se pode definir
o que é des-sentido
o sem sentido
daquele que prefere
estrada reta
à vida de labirintos
viver é risco
arrisco
não tenho medo
para mais que amar
ou gostar ou querer
não há limite
entre céu e abismo
para ir além do sentir
a vontade
o cuidar
você já aprendeu a voar para além do umbigo?


Re-existência.

Por tudo que nos é repreendido, e não falo de nenhum deus, a não ser de nós mesmas. Por tudo que nos é barrado, evitado. Que nós possamos transbordar e sermos ridículas sim. Livres. Lindamente livres. Posto que viver margeada por clichês/estereótipos cansa. Cansa demais! Machuca, fere, deixa a carne tatuada por marcas. Por todos aqueles que nos a-creditaram loucas, ciumentas, emocionais demais, competitivas, grudentas, carentes. Não alimentemos essa paranoia. Que não nos coloquemos em classificações que podam aquilo que é/está vulnerável em quem declaradamente sente e se expõe. Que a gente seja o que quiser ser em nossa desamarrada exaltação de nossos humanos sentimentos. Pra depois ressurgirmos ainda mais desprendidas e descondicionadas. Quantas vezes, quantos lugares em que parecemos estar vivendo uma relação de mão única, de uma pessoa só. NÃO fomos nós que inventamos! Não existe relação de um só. Tudo é fruto... semeado, plantado e colhido também por quem pensa ter o controle sobr…

SIGA

não há nada que aperte
                    que não seja sentido
                                 mesmo sem sentido
      ou desforme de algum sentido
para aquele que tanto sente.

nota para a vida,

ter de ser pragmática
pra ser um pouco menos romântica
e fazer-se mais didática
sendo menos ideal
e mais prática.

quando tu fostes
não me destes
nenhuma escolha 
a não ser viver
sem o teu paramãemetro.

ser menos filha
pra ser mais humana
sem nó
sem dó
aprender a caber
naquilo que é ser só e ser.