Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2010

Um ao outro.

Começou com um convite.

Na verdade, não lembro como foi parar em minhas mãos.

Lembro que tinha chamado mais alguns amigos para compartilhar daquele momento. Alguns foram, outros não.

Alí, sentada na 'fila b', não imaginava o espetáculo que estava prestes a começar.

Ele, no palco. Sozinho. Apenas a voz, o violão e sua generosidade.

Um teatro inteiro dominado. Lotado. 

O sentimento foi arrebatador. Impressionante o efeito causado em mim. De me perceber algumas horas boquiaberta e rir do meu próprio espanto com aquela solenidade em pessoa.

Desde aquele dia o amor é assim, crescente... é inspiração, é referência, é tradução.

Impressionante como Moska me entende em suas letras. Ou melhor, como eu me entendo em suas letras.

http://www.youtube.com/watch?v=fD8IRMIxhQs
[tudo se compõe e se decompõe]

Acordei e a tal frase estava lá.
Andei pela rua e a frase estava lá.
No meu trabalho a frase estava lá.
Na calçada, no ônibus, nas pegadas, nas pessoas, no pensamento...
'o que você defende são apenas teorias bonitas? ou há uma base interior mais profunda nas coisas que você prega?'

[Livre adaptação do mestre Quiroga]

passatempo.

tempo.
temo.
termômetro.
torto tempo.
tempêro.
tem
tempo.


[Foi que chegou
Se debruçou
No minuto que não viria mais
E repousou olhos num inquieto ponteiro
Que ignorou aquele sonho
Que se perdeu na tal promessa
De um novo dia ...
Tempo, tempo, tempo, tempo] [Céu]

www.youtube.com/watch?v=AJ1XPqbq6PA&feature=player_embedded

Cordel do Amor Sem Fim.

'CARMINHA - Ama, não. Esse que cê sente não é amor, não. É vaidade. O amor é quando a gaiola tá aberta, quando a coleira tá frouxa. O amor é o de soltar, esse de prender é vaidade.
... JOSÉ - Carminha, eu não posso fazer nada por você.
CARMINHA - Então deixa que por mim eu mesma faço.'


Fragmento de 'Cordel do Amor Sem Fim', de Cláudia Barral.

Do sentido de caber.

Imagem
Fico na tentação de revelar o que há por dentro.  Mas tem coisas que a gente não fala...
São coisas que só [cabem] ao nosso próprio entendimento e [cabimento].

Balões e Facas - Ilustração Lese Pierre  (http://diversos-afins.blogspot.com/2010_01_01_archive.html)

Dentro dela...

Fingir se tornaria menos dolorido?
E ressoa na mente a tal frase... 'eu falso da minha vida o que quiser'. É a 1 x 1 ou 1 x 0... ou 0 x 0? É jogo?
[Um pouco de emoção / Atira no meu coração / Me diz versos à toa ... Um pouco / um coração] Medo todo mundo tem, não é? E seria diferente agora? E agir? E reinventar? E arriscar? E passar da hora? E ser? E se decepcionar? E se desCulpar?
E tudo passa. Não há um começo. Pois bem, começou pelo não, depois o sim, e por fim o talvez. E o talvez, sim, é a pior das respostas. É o 'sim', descompreendido e o 'não', egocêntrico. Que difícil. Não tem lógica, e não é pra ter. Sentir. Sentir não tem regras. Tem guerras, batalhas de si contra si, si a favor de si.
Tu teima, eu teimo, ele teima, ela teima, nós teimamos, todos teimam. E amam também. Ar, mor... PÁ! chão.

[Ao som da própria,  http://www.youtube.com/watch?v=TkVd1VABK8E]