Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2010

pra sempre sexta-feira.

Imagem
Vai ter uma festa
que eu vou dançar
até o sapato pedir pra parar.


Aí eu paro tiro o sapato
e danço o resto da vida

[Chacal] 

Da arte do desencontro #1

Imagem
era muito noiva para ele,  assim como era muito casado para ela.

O telhado novo.

Imagem
E de novo, e de novo, e de novo. Sempre aquele mesmo papo repetitivo. Como se fizesse somente uma pausa para dormir, comer, ir ao banheiro, beber, tomar banho, sair de casa, voltar pra casa e sempre, sempre voltava ao que estava dizendo antes, ou melhor, a tal sensação de antes.
Outro dia, ao levantar da cama e sentar na cadeira pesada de madeira, que fica em frente ao computador e que não deveria usar mais, já que só piora o estado de sua coluna e aumenta o risco dos cupins atacarem novamente a casa, pôde observar a seguinte situação: um pedreiro, na verdade, vários pedreiros, uns vinte pelo menos, há uns dois metros de distância de sua janela. Era uma obra no telhado ao lado e ela não havia percebido! Ao lado, e não percebeu.
Como? Eu disse: COMO não sentiu o barulho antes? Parou. Pensou. Ficou  alí. Estática. Rosto reflexivo diante do céu, do telhado quebrado, e claro, dos pedreiros. Devia realmente estar perdida na repetição doentia. E pior, a sua janela nem tinha cortinas. Há quant…

Ver-ão.

Imagem
Já apaguei e reescrevi tantas vezes o que quero falar, que mal sei por onde começar. É que assim,  como ele, e como o que sinto, e como esse como  que não é de comer, eu nunca sei por onde  começar. É como toda vez que vou contar a nossa história, que, na verdade, é minha história; e eu  me alongo, pois não quero só contar, mas  também relembrar cada detalhe vivido e  revivê-los. Tentativa besta de descobrir alguma  novidade, no próprio passado. Tipo...

o eterno balanço da caixa de fósforos,
o nascer do sol ao lado da lua às 4 da 
manhã e de frente para o mar, o quase 
beijo roubado de fim de noite, o filme
que ninguém prestou atenção, o doce
que nunca chegou de viagem, as grandes
conversas de poucas palavras.

Mas sabe quando é preciso parar de sofrer? Eu preciso parar de sofrer por essas coisas; com  essas coisas. Falo tanto em amadurecer coração, mas amadurece mesmo? O meu deve ser coração fruta da estação o tempo todo, amadurece e cai. Se estatela no chão. E nem eu mesma consigo  entender essa comparaçã…