Postagens

Mostrando postagens de Maio, 2013

Todo seu.

use
eus
sue
seu
e
se
eu
us?

ele

Imagem
ele nu,
vestido de poesia.

o corpo apoiado na janela,
a fumaça saindo de sua boca,
penetrando o ar.

ele nu,
vestido de poesia.

minha vontade de guardá-lo imagem,
rabiscado em papel.

ele nu,
vestido de poesia.

a barba desenhando seu rosto,
seus olhos e a mania de piscar acelerado.

ele nu,
vestido de poesia.

em pausa eterna, etérea de momento.
tão bonito, tão horizonte.

ele nu,
vestido de poesia.

me toma,
me bebe, 
me come,
me ingere,
me digere,
sem saber.

ele nu,
vestido de poesia.

eu nua, 
vestida de contemplação.



Vá #2

A(r)dor
tem
seu valor.

Ao invés de "apressarar"
deixar o tempo ag-ir
sent-indo.


amar é como viajar sem mapa


E viveram felizes...

sem acreditar em pra sempre
já que a poesia está
no que é
terno.


Da magia do 'não' e suas com-sequências ou Martírio sincero

Imagem
Não me trate bem, que é pior.

Duane Bryers - Hilda

Do jeito dele.

quando fizer, 
quando houver,
quando for pra tocar,
                    pra sentir, 
                    pra experimentar 
quero do jeito dele. 
não é sobreposição, 
nem falta de equilibro. 
é que de mim, 
já conheço. 
quero poder descobrir do jeito dele. 
não vou lhe contar de tudo que gosto e como gosto. 
quero que ele me descubra do seu jeito. 
me ensine do seu jeito, a mim mesma. 
que me tenha, 
       se inspire, 
       me queira ao seu modo, 
pois do meu, 
                 eu já conheço.


[02-05~13]

Sobre ângulos.

Frente a frente, 
as palavras que havia procurado há tempos, 
soltas ao ar tornavam-se meras figurantes, é que 

do mesmo ângulo dava pra ver, que as palavras nunca estarão ao alcance dos sentimentos
do mesmo ângulo dava pra ver, que por mais que se tenham respostas, elas podem ser simplesmente respostas e nada mais
do mesmo ângulo dava pra ver, que por mais que as coisas precisem ser ditas, isso não significa que elas serão compreendidas
do mesmo ângulo dava pra ver, que por mais que se queira entender o agora, talvez só o tempo de um futuro seja a melhor alternativa

do mesmo ângulo dava pra ver...
as palavras sumindo, num abraço frouxo, e atrás, 
atrás todo o horizonte do mundo, num dia que amanhecia, 
dando a maior resposta de todas: um novo horizonte é o que você precisa.

De deixar levar, pra não pesar

Imagem
me chame de burra, idiota, palhaça, romântica, puta moderninha, contraditória ao agora e ao que pode ser daqui a pouco.  simplesmente não deixarei de acreditar que nas situações mais inoportunas ou estranhas estão impressas poesias. que seja ilusão, realidade paralela, mas o olhar, o olhar sempre sera único para cada um. que seja o mais do mesmo, pra mim nunca será o mesmo. e pode ser bonito, mesmo na tristeza. que seja fuga do que é duro, do que dói, do que machuca, não nego nada, mas ainda estou preferindo enxergar o lado bom de cada coisa, mesmo quando a maior vontade que tenho é falar foda-se everyone,  porém amanhã... amanhã tudo passa, tudo passará, e o que fica é peneira da memória de cada um. e eu, eu quero boas lembranças, sem martírio, sem negar realidade, apenas buscando o que pode ser leve, pra comigo levar. é que as coisas costumam ter o peso que a gente (quer) dá.




Dente de leite.

a vontade que tenho é de lamber-lhe os dentes.
pra ver se sai leite.

pra ver se alimenta,
pra ver se amamenta,
minhas palavras que ainda nem nasceram.


[05-04-13]

Compaixão.

Não era paixão,
era falta de mim mesma.

É que quando a gente falta em si,
sobra no outro.

Em resto ou excesso. 

[02-04-13]

Pra morar.

Tem gente que já nasce com cangote pra morar de amor: a morada.

Junta-cabeças

(já que a memória trai
escrevo pra confiar)
no juntar d'ocê eu quase despedida bem-vinda o corpo  a mo le sendo  tanto calor
respirações  boca a boca sem deixar  de mergulhar
um desaguar  sem tamanho sem boia pra boiar sem prancha pra tirar onda
na contradição  quente e frio, amornar
do que não é só pele sê troca sê fluxo sê energia en tre ga explosão
deixa ser                                                                                                                                            sentido                                                                                                                                            sentindo                                                                                                                                            sem tino de  fogo e ar
e no agora juntar lembranças  aos pedacinhos num  junta-cabeças delicioso de montar.