Senhor do destino,

é tudo processo, 
tudo tudo mesmo. 

essa mania de querer ser baú de emoções antigas 
nem sempre nos levará a memórias saudáveis ou 
que deveríamos prolongar por tanto tempo. 

(( apego ))

até o próprio sofrimento tem a sua atração. 
e é um perigo esse estado de vulnerabilidade 
que não descasca, mas só expõe. 

quando a gente começa a identificar 
o nosso próprio tempo ou 
a reestabelecer o que de fato é saudável pra gente, 
sem pular etapas, 

é bom. 
muito bom. 

ainda que impermanente, 
pensando que a vida é a instabilidade 
e somos um bando de circenses 
na corda bamba 
com o mesmo frio na barriga 
a cada novo 
espetáculo. 

que a emoção de sentir 
o próprio crescimento, 
esteja sempre viva.

e a cada novo amanhecer
seja como raio que esquenta:
corpo e coração.




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

mensal

a arte de cozinhar,

doença